24 fevereiro 2009

Museu do Livro

Almoçamos num kibutz, nos arredores de Jerusalém.

A seguir ao almoço, visitamos o Museu do Livro, que é o local onde estão guardados os pergaminhos e outros artefactos que foram encontrados em Qumram.

À entrada deste museu, encontra-se uma grande maquette com uma representação da cidade de Jerusalém tal como era no tempo de Jesus.

4 comentários:

Sonya disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sonya disse...

Olá a todos que partiram nesta aventura.

Sou a Sónia, filha do João e Gina do Barreiro e sobrinha de imensos fiés que partiram no caminho da fé.

Desejo o continuar de uma viagem onde a renovação do corpo e do espírito será certamente merecida com toda a fé que os acompanha.

Rezem por todos nós que vos aguardanos ávidos de notícias e reportagem fotográfica da vossa caminhada.

Sabemos que nos transportam no coração e essa paz que os invade chega na medida certa aos nossos corações que em Ti Jesus Acreditamos!

Beijo especial aos meus pais e para todos os meus tios e tias.

Boa viagem e que Deus os acompanhe! :)

cumprimentos
Sónia Santos

ps: partilhem esta mensagem com o grupo :)

Paroco de Monteiras disse...

Ola Sonia,

Dei os teus recados aos pais, tios e afins.

Gracas a Deus todos estamos bem, de saude e bem dispostos.

Os teus pais estao aqui ao meu lado e mandam cumprimentos a ti e aos teus.

Continua a rezar por nos porque hoje e' dia de sair a' noite.

As mais cordiais saudacoes,
Pe. Jose Alfredo

P.S. Lamento os erros ortograficos, mas este teclado nao tem acentos nem cedilhas. Enfim, hebreus...

Sonya disse...

Olá Pe. Jose Alfredo :)

Acerca da linguagem escrita não estar acentuada a importância é menor... a palavra circula e expande mesmo no retiro do silêncio... quantas não são as vezes que um olhar dita mais que mil palavras... e somos todos irmãos :)

O lembrar que hoje é quarta-feira de cinzas, e que vamos entrar na época da Quaresma... sentir que o vosso caminho por Terra Santa é abençoado por um início onde a Paz reina nos corações daqueles que transportam a fé.

A hora vai tardia, é tempo de me recolher, junto com o meu sono caminham sonhos e a fé, protego 3 estrelinhas que se encontram no sono dos anjos no meu lar (filho e os 2 queridos sobrinhos)... a Pipa tem 3 aninhos e está muito constipada, aconchego-a na minha cama e zelo por ela pela noite, amanhã nas vossas preces rezai por nós e especialmente por Ela!

Beijinhos para todos
Sónia

Partilho convosco a mensagem do ano passado das palavras que Bento XVI pronunciou, antes e depois de rezar a oração mariana do Angelus junto a vários milhares de peregrinos congregados na praça de São Pedro, no Vaticano.


Queridos irmãos e irmãs:

Na quarta-feira, com o jejum e o rito das cinzas, entramos na Quaresma.

Mas o que significa «entrar na Quaresma»?

Significa começar um tempo de particular compromisso no combate espiritual que nos opõe ao mal presente no mundo, em cada um de nós e ao nosso redor.
Quer dizer olhar o mal de frente e dispor-se a lutar contra seus efeitos, sobretudo contra suas causas, até a causa última, que é Satanás.
Significa não descarregar o problema do mal sobre os demais, sobre a sociedade, ou sobre Deus, mas há que reconhecer as próprias responsabilidades e assumi-las conscientemente.
Neste sentido, ressoa entre os cristãos com particular urgência o convite de Jesus a carregar cada um a própria «cruz» e segui-lo com humildade e confiança (Cf. Mateus 16, 24).

A «cruz», por mais pesada que seja, não é sinónimo de desventura, de uma desgraça que deve ser evitada o máximo possível, mas uma oportunidade para seguir Jesus e deste modo alcançar a força na luta contra o pecado e o mal.
Entrar na Quaresma significa, portanto, renovar a decisão pessoal e comunitária de enfrentar o mal junto a Cristo. A Cruz é o único caminho que leva à vitória do amor sobre o ódio, da generosidade sobre o egoísmo, da paz sobre a violência. Desta perspectiva, a Quaresma é verdadeiramente uma ocasião de intenso compromisso ascético e espiritual fundamentado sobre a graça de Cristo.

No ano passado o início da Quaresma coincidiu providencialmente com o 150º aniversário das aparições de Lourdes. Quatro anos depois da proclamação do dogma da Imaculada Conceição por parte do beato Pio XII, Maria apareceu pela primeira vez em 11 de fevereiro de 1858 a Santa Bernadette Soubirous, na gruta de Massabielle. Seguiram depois outras aparições, acompanhadas por extraordinários acontecimentos, e, ao final, a Virgem despediu-se, revelando à jovem vidente, em seu dialeto local: «Eu sou a Imaculada Conceição».
A mensagem que a Virgem segue difundindo em Lourdes recorda as palavras que Jesus pronunciou precisamente ao início de sua missão pública e que voltamos a escutar várias vezes nestes dias de Quaresma:
«Convertei-vos e crede no Evangelho», rezai e fazei penitência. Acolhamos o convite de Maria que se faz eco do de Cristo e peçamos-lhe que nos permita «entrar» com fé na Quaresma para viver este tempo de graça com alegria interior e compromisso generoso.

Encomendemos também à Virgem os enfermos e todos que os atendem com amor. Em memória da Virgem de Lourdes, celebrou-se a Jornada Mundial do Enfermo. Saúdo de todo coração os peregrinos que se reunirão na Basílica de São Pedro, presididos pelo cardeal Lozano Barragán, presidente do Conselho Pontifício para a Pastoral no Campo da Saúde. Infelizmente, não poderei reunir-me com eles porque esta tarde começarei os Exercícios Espirituais, mas no silêncio e no recolhimento rezarei por eles e por todas as necessidades da Igreja e do mundo. Já desde agora agradeço sinceramente os que rezam por mim perante o Senhor.

Assim seja :) na Paz do Senhor